A WebHelp já emprega 700 pessoas em Braga, metade das quais são de origem portuguesa

A multinacional francesa WebHelp vai abrir o seu segundo escritório em Braga (o quarto do país), na próxima segunda-feira, na região de Cabanas, contando assim oficialmente com 950 pessoas a trabalhar no norte do país, das quais 700 são das duas. Escritórios em Braga e 250 remotos.

Cerca de metade destes trabalhadores são nacionais de países como Alemanha, França, Suíça ou Canadá, e representam uma geração de descendentes de Portugal que regressam a Portugal para viver e trabalhar.

“Este é o segundo escritório em Braga, adicionámos 400 postos de trabalho aos 300 que já temos no primeiro escritório em Braga, e temos muita gente a trabalhar a partir de casa, cerca de 250”, segundo O MINHO Carlos Moreira, CEO da WebHelp em Portugal.

Apesar de estar em funcionamento desde setembro de 2021, o segundo escritório vai agora abrir na presença do Presidente da Câmara de Braga e do diretor da multinacional para a região Norte de Portugal, antecipando assim a abertura do quinto escritório da marca, desta vez em Aveiro. Atualmente, a WebHelp tem dois escritórios em Braga e mais dois em Lisboa.

Filhos e netos do Minho estão de volta à diáspora

Cerca de metade destes colaboradores são netos e filhos de portugueses que imigraram para países como França, Suíça, Inglaterra ou Alemanha durante o século passado, e que agora regressam com as características de serem nativos de língua estrangeira e falarem português. A maioria deles são descendentes de concelhos como Vila Verde, Amares, Fafe, Vieira do Minho e Póvoa de Lanhoso.

Carlos Moreira afirma que o “negócio” da WebHelp em Braga (e Portugal) é o apoio ao cliente através de suporte técnico (formato ndr: call center), com clientes exclusivamente estrangeiros, sendo que a WebHelp tem suporte técnico em nove idiomas diferentes de Braga. Ou seja, eles recebem ligações de países estrangeiros e, no idioma daquele país, devem ajudar o cliente a resolver seu problema.

Carlos Moreira. CEO da WebHelp Portugal. Foto: d

Se, fruto das inúmeras ondas de imigração, os filhos e netos dos portugueses do norte, os filhos e netos dos portugueses arranjam emprego, é estranho que os escritórios da WebHelp em Lisboa, que também têm mais de 50 % de falantes nativos de línguas estrangeiras, não. Funciona da mesma maneira.

Em Lisboa, estrangeiros já são estrangeiros

Carlos Moreira destaca que em Lisboa os funcionários nativos não têm qualquer tipo de relação com Portugal: “São imigrantes que vieram trabalhar”.

O CEO da WebHelp salienta ainda que outras multinacionais deste tipo, concorrentes da empresa francesa, também sediada em Braga, beneficiam do perfil do colaborador – a língua materna na língua em que vão prestar apoio, mas também o português.

Por isso, considera a diáspora portuguesa uma “vantagem” do país, “justamente por causa dos franceses e alemães”, graças às “segundas e terceiras gerações” de imigrantes. “Nossos funcionários nasceram nesses países, estudam lá e, quando voltam, têm essa vantagem. Acho ótimo para todos.”

Carreira de longo prazo em casa – Benoist Voidie

Em declarações a O MINHO, Benoist Voidie, director da WebHelp North, referiu que a empresa trabalha muito com mercados e clientes que falam francês e alemão, “por isso faz todo o sentido contratar pessoas com nível indígena desta língua”.

“Isto é algo que efetivamente conseguimos com a contratação de pessoas que regressaram a Portugal provenientes de países onde as famílias portuguesas tradicionalmente imigraram, como França ou Suiça. Consideramos positivo proporcionar esta oportunidade, tendo em conta que o objetivo para todos os colaboradores é crescimento interno e promoção dentro da empresa. , com uma perspectiva de carreira de longo prazo dentro de seu país de origem, se é isso que eles querem”, disse ele. Benoist Voidie.

Benoist Voidie, Gerente da Região Norte da Webhelp Portugal

Globalmente, ambos os administradores consideram que não só a WebHelp mas todas as empresas internacionais de suporte técnico estão a contribuir “para a dinâmica da economia e empregabilidade em áreas como Braga”.

E porquê Braga?

Em vias de abrir o quinto escritório no país (Aveiro), a WebHelp escolheu Braga como hub do Norte, em detrimento da área metropolitana do Porto. Isto deve-se a um estudo realizado em parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional para perceber quais as regiões que são as línguas estrangeiras mais utilizadas no país, com especial enfoque no francês.

Mas também porque “centros urbanos como Braga têm dinamismo e potencial próprio, bem como muitas vantagens em termos de qualidade de vida que atraem os colaboradores que contratamos”, explicou o administrador Benoist Vouidi.

Carlos Moreira recorda que “é estranho que as melhores cidades fossem Braga e Aveiro, razão pela qual, em 2018, decidimos abrir o escritório de Braga, depois de abrir em Lisboa em 2015”, destaca, salientando que em sete anos, o grupo vai poder Com cinco escritórios no país, emprega cerca de 2.500 pessoas, afirmando que a WebHelp é “um dos grandes patrocinadores nas regiões que ajudam Portugal a crescer”.

O primeiro help desk web em Braga. Foto: d

Benoist Voidie, por sua vez, acrescenta outras vantagens a Braga, nomeadamente no que diz respeito ao emprego, “porque há pessoas altamente qualificadas em termos de línguas e outras competências, que preferem trabalhar fora das grandes cidades e podemos contratá-las com menos concorrência”.

Voidie afirma que a WebHelp é “altamente aclamada em Braga pelas autarquias” e que “em geral”, apesar de estarem sediadas em Lisboa, acreditam na “descentralização em cidades como Braga ou Aveiro, sobretudo na altura em que se sentem mais e mais mudanças de paradigma no mundo e nas metodologias de trabalho.”

Um dos melhores lugares para trabalhar em Portugal

A WebHelp foi recentemente classificada como uma das melhores empresas para se trabalhar, também com foco no tempo livre dos funcionários. Carlos Moreira afirma: “Este reconhecimento mostra que existe uma cultura de trabalho, mas também de prazer, porque é impossível trabalhar algures a longo prazo se não nos divertirmos”. Uma festa em Esposiend, onde “as pessoas também foram homenageadas pelo seu trabalho”.

2º escritório WebHelp em Braga. Foto: d

Aposte no time atual e cresça para 3000 funcionários em 2023

Voltando-se para o futuro, Benoist Voidie refere-se à “grande aposta no crescimento de equipas e infraestruturas”, com o objetivo de atingir 2.500 colaboradores até ao final do ano.

“No entanto, queremos principalmente fortalecer a equipe existente e garantir que as pessoas recém-contratadas se sintam totalmente integradas. Apostamos muito na promoção interna, às vezes a taxas de 90%, então a meta é crescer esses funcionários. Em 2023 , o nosso objetivo é aumentar a equipa para 3.000 em Portugal, em linha com a captação de novos clientes.”

Fundada em 2000 por Frédéric Jousset e Olivier Duha, a WebHelp começou como uma empresa de suporte de TI em tempo real e depois se expandiu para um formato de “call center”. Os próximos passos foram dados em 2011, com a operação em Londres e, em 2016, com a compra de uma empresa líder de suporte ao cliente na região escandinava.

Presente em mais de 50 países, a WebHelp emprega atualmente 120.000 pessoas em todo o mundo e 2.400 em Portugal.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Previous post As pedras estão mortas? Descubra a história dos jogos de guitarra
Next post Os signos do zodíaco mais confiáveis